hometopo  
homeartistacursosexposiçõesprodutosobrasarte sacracontato






Liberdade de voar

Esta página é uma homenagem ao meu Pai Miguel, piloto privado, que me ensinou o gosto pela aviação, os tipos de nuvens, a liberdade de voar, desde os anos 70, nos tempos em que pilotava planadores com o Kovacks, no CTA, em São José dos Campos.

O gosto pela aviação surgiu assim, acompanhando meu pai nos vôos de planador, eu ficava observando do solo, quando ele voava nos finais de semana, e na inesquecível exposição aérea internacional, quando vi o Avro Vulcan, o Galaxy, o Harrier, e tantas outras aeronaves, na feira de aviação de São José dos Campos. Nascí na cidade da aviação. Lá cresci até 1974. E depois, mudei para Bragança, cujo aeroclube é um dos que mais forma pilotos no Brasil. Não podia dar em outra coisa. Gosto de aviões. E muito mais, gosto de voar.

aeroclube Meus primeiros vôos foram com o querido pai Miguel, em 1976 até 78. Eu ainda era um menino de 13 anos, quando pilotei pela primeira vez sob a sua orientação, em Bragança.

Ele me ensinou a manter a proa, manter nivelado e até me deixava fazer a aproximação. Aprendi a dar rajadas, para manter o motor aquecido, durante a descida de aproximação.
Eu já pedia para fazer o pouso, em Bragança. Era o que me faltava... saber pousar.


A sensação de voar é algo que pega, na gente.

 

foto O instrutor Malengo, o "peixe" (PM-SP), dando hélice, na pista ainda em terra, de Bragança.

Enquanto asfaltavam a pista de Bragança, aprendi os primeiros pousos em Atibaia.

Em um treinamento de pouso de emergência em uma pista de ultraleve da represa, eu tomei a decisão de arremeter... tomei um pito do Malengo... mas é que eu via a cerca e a vaca crescendo, diante do avião...

Arremeter... para mim, antes cedo do que nunca...ou tarde demais...

Comandante é isto... saber tomar decisões em tempo hábil...

 


foto Voando como Piloto Privado.

Tudo começou, logicamente, em um bom Paulistinha.

Algum tempo após, e mais alguns anos de treinamento no Flight-Simulator, algumas visitas ao aeroclube e o insistente convite de meus amigos pilotos de Bragança (Cmte. Bruno Vasco e Cmte. Célio de Oliveira), me levaram a começar meus estudos para piloto privado. Primeiro pouso com o Malengo em Atibaia, solo liberado pelo Lourenço, em Bragança, e checagem com o Bruno.

Meu pai Miguel ajudou no trote do primeiro vôo solo. Lama, risada e churrasco. E depois foi meu passageiro em meus primeiros vôos, eu até que caprichei no pouso, e o elogio dele foi para mim uma confirmação de que eu já estava realmente voando.  

Foram tantos amigos incentivando, que eu até escrevi um extenso diário de bordo, onde conto todos os meus vôos: O André Grabler me incentivou com livros e informações. O Fernando Barreto (voando em Macau) me dava dicas bacanas e contava suas aventuras. O Herman, o Lula (o piloto, não o Presidente) e outros companheiros de aeroclube me incentivavam e faziam brilhar meus olhos, em cada história que contavam, que eu ouvia atentamente.

Quem voa em Bragança, sabe que o PP-GUT é uma delícia, muito bom de pilotagem. É o preferido de muitos pilotos, novos e experientes. Tem muito piloto comercial que sonha em ter um paulistinha. A gente voava o GUT já naquela época, na pista de terra.

Fui aluno do Camps, do Tessarollo, do Jetter, do Bruno, do Lourenço, da Angelita, e de muitos outros pilotos que hoje estão na aviação comercial. Cada piltoto me ensinou algo. Cada um com seu estilo.

Tive a chance de voar acrobacia aérea com o Cardoso, piloto que se acidentou fatalmente em atividade acrobática. Com ele fiz a manobra que o vitimou, meses antes: o estol com parafuso no dorso ... no avião treinador Decatlhon, uma manobra tão radical, que tive um pequeno desmaio na recuperação, por falta de oxigenação do cérebro, por excesso de força G, sem visão por alguns segundos, mas o pouso ficou comigo, logo após...esta manobra, sinceramente, eu não gostaria de repetir... uma vez na vida basta.

Depois desta manobra, fui para represa e me sentei durante uma hora, para olhar o horizonte parado... estável.


foto

 

Quando você pilota um monomotor, às vezes se depara com um mono-posto. Neste caso, para voar, não tem instrutor nem adaptação. É vôo solo, você só pode contar com as instruções de outro piloto.

É dar motor, decolar, voar e depois negociar o pouso. Foi uma aventura voar um J3-Kitten no condomínio de Atibaia, e depois um Pober Pixie, lá em Itú.

Tive a chance de voar um planador Grob em Floripa, um anfíbio Maule na represa de Bragança, e outras aeronaves diferentes e até esdrúxulas...

 

 

 

 

 

 

 

 

foto

 

Quando a gente é piloto monomotor terrestre, pode até pilotar um caça da segunda guerra mundial !

O piloto Manu (piloto comercial Francês, proprietário da aeronave) e eu decolamos de Toussu-le-Noble (aeródromo ao sudoeste de Paris) e tomamos a proa (le cap) de Chartres, com algumas manobras acrobáticas sobre os campos.

É uma aeronave muito pesada, não dá para brincar muito nas reversões.

 

 


fotoFoi um vôo memorável em 2002, quando estive revendo os amigos em Paris, onde estudei.

Justo um dia antes de voltar para o Brasil, foi a cereja em cima do bolo, um presente de meus caros amigos Pascal e Aida, que, sabendo que eu havia tirado meu brevet de pilote no Brasil, me disseram que seu cunhado tinha um monomotor.

Ao chegar no hangar, esperando um Cessna, me deparei com o motor radial de 1.450 hps...
Eles souberam manter a surpresa até o último dia de minha estadia.

Merci, les amis! J´ai pu apprecier les beaux paysages de la jolie France, pays de mon adolescence!!!

 

 

fotoO Robin é um monomotor treinador da Dassault, com belas asas, com o qual sobrevoei um dos maiores canyons da Europa, les Gorges du Verdon, no sul da França, na Provence.

Não tinha tempo de fazer de carro, então gastei as minhas  economias neste vôo, no aeródromo de Cuers, ao lado do instrutor Serge, controlador (aposentado) de pousos em porta-aviões e piloto especializado em pousos curtos em pistas de neve em alta montanha.

 

 

 

 

foto A atmosfera estava batendo, sacudindo, não foi um vôo confortável.

O tal do mistral é um vento que canaliza pelas montanhas do massif central e que  sacode, esporadicamente, o sul da França.

Na foto ao lado, vemos um dos maiores canyons da Europa, o Gorges du Verdon (garganta do Rio Verdon), uma paisagem linda, um local de passeios e escaladas.

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

foto

Sallaberry de Valleyfield, novembro de 1988, no Canadá, por do sol e neve.

Só pra ligar a aeronave, foi uma peripécia. Ver o por do sol com Montreal ao fundo, uma beleza.

A fonia do instrutor em Francês, com sotaque em Inglês, foi um esforço lingüístico, o pouso na pista com neve, uma experiência de "deixa que eu ajudo a frear"...

 

 

foto Voando no Canadá. Noite de frio, pista com neve, perto de Montréal. 1988.

 

 

 

 

 

 

 

 

Preparando para a decolagem em treinamento de acrobacia aérea em Bragança.

 

foto

 

 

Co-pilotando o Skyvan da Azul do Vento, em Amarais, Campinas, em vôo de homenagem ao Pedro.

Sentimento e emoção, ao lado dos amigos paraquedistas, em memória de meu querido irmão.

 

 

 

 

 

 

foto Com a Wing-Walker Marta Bognar e o piloto Pedro Mello.

 

 

 

 

 

 

 

 

foto

 

 

 

Voando o Super Petrel com Fernando Abud.

 

 

 

 

 

 

 

foto

 

 

Voando para o Broa em formação com os pilotos de Bragança. Vento de proa forte, aumentou o tempo de navegação... pouso com vento de través, uma aventura.

Um tal de levantar a asa, do aviãozinho querer ficar voando...

 

 

 

 

 

fotoTem aeronave que a gente só pilota por alguns minutos, a 800 km por hora, a 34,000 pés, em algum local do mundo, se for de extrema confiança dos Comandantes.

Obrigado Comandantes. Inesquecível. Essa eu nem relato muito.

Se você for piloto comercial, pode pilotar uma destas. Meteorologia, Teoria de vôo de alta performance, Regulamentos, Navegação, Motores a jato, Vôo por instrumentos, etc...

Tem que encarar estudar tudo isto e investir durante anos em aviação... pra chegar lá.

Quem ainda não é Piloto Comercial tem que contar com muita sorte, confiança e amizade, para sair do jump- seat por alguns minutos.

 

 

 

fotoVisita à cabine de um Boeing, agosto de 2007, rumo à Fortaleza (CE).

Em 2008, estava em curso de formação teórica para piloto comercial/IFR, prestei o exame, passei em 4 matérias do PC-IFR na Banca da Anac, mas, por problemas burocráticos da escola, o nosso exame foi cancelado... foram 5 meses de estudo por água abaixo... quem sabe tomo coragem para estudar tudo de novo...

 

O Simulador de Boeing 737-800 é uma experiência fabulosa, vale a pena, para quem está estudando IFR.

 

 

egeu egeu

Por de sol no Mar Egeu, 2008. Uma viagem linda. Peregrinação de Fé e arte na Grécia.

vulcao

Chegando no México, vemos um vulcão... novembro de 2008.

mexico

A Cidade do México é um mar de luzes... enorme...

 

Visita à um simulador profissional do Boeing 737-800, para treinamento e formação de pilotos de linha aérea. Treinamento de vôo IFR, algumas panes e emergências.

 

Um agradecimento sincero à todos amigos pilotos, professores, instrutores e incentivadores, que souberam me trazer ensinamentos e que me proporcionaram alegrias, partilhando a arte de voar.

Abraço à todos, esperando por novas decolagens!

Voei de asa delta no Rio !!!

 

Turma do curso com o Comandante Denis Bianchini, que lecionou o FMC da PMDG para o Flight Simulator, realizando todas as etapas de um vôo por instrumentos, com a plotagem dos dados de vôo no computador de bordo do Boeing 737-800. Fevereiro de 2012. Saiba mais


Enciclopédia Atelier Prata - Tel 55 11 4035-2057 - Cel 55 11 99597-0275 - artista@sergioprata.com.br