livro técnicas de pintura  
afrescoaquarelaencausticatemperaoleoacrilicoalquidicocaseinavitraliconesoutras
estilo
historia
iconoclasmo
estilosteologiaathos
Roublevigreja ortodoxadesviospantocratormodelosoraçãodesenhoperspectivageometriamadeiraetapas
levkastreinamentotransferênciaovopigmentospinturadouração
assistesolifabênçãoriza
bibliografiacolaboradores
Iconoclasmo

Statues dans la cathédrale Saint Martin à Utrecht, attaquées durant l'iconoclasme de la Réforme au XVIe siècle.O iconoclasmo (do grego εικών  - eikon "ícone" e κλαστειν  - klastein "quebrar") quer dizer stricto sensu a destruição de representações, a guerra contra as imagens, seja ela decorrente de razões religiosas ou profanas.
O iconoclasmo religioso rejeita as representações do divino, em particular, dos ícones. A acusação principal dos iconoclastas (os que aderem ao iconoclasmo) é a da idolatria. Crêem que os iconógrafos são criadores de ídolos. 

Estátuas da catedral São Martinho em Utrecht, atacadas durante o iconoclasmo da Reforma Protestante, no século XVI.
A questão teológica da representação do divino está presente nas três religiões monoteístas: Judaísmo, Cristianismo e Islamismo. Todas as três atribuem a característica de transcendência à divindade que está situada além da humanidade tal qual é representada.
A única representação comum entre as três religiões monoteístas é a dos anjos.
No Judaísmo assim como no Cristianismo, a interdição de representar a figura divina é inspirada no segundo dos dez mandamentos, descrito no livro de Êxodo, capítulo 20, versículos 4 a 6:
" Não farás imagem em escultura, nem representação de coisas que estão no alto dos céus, que estão sobre a terra, ou abaixo dela, nas águas. Não te prosternarás diante delas, e não as servirás, pois Eu, o Eterno, teu Deus, sou um Deus ciumento, que pune a iniqüidade...."

No entanto, logo nos primeiros séculos do Cristianismo, artistas produzem imagens, como as pinturas das catacumbas, e mais tarde, os ícones. Em defesa da iconografia, vale que o iconógrafo não produz ídolos, mas ícones. A teologia dos ícones tem por objetivo trazer explicações à estes paradoxos. Aqueles que, por radicalismo ou por crença religiosa são levados a destruir ou profanar imagens (alegando que tais imagens são ídolos), recusando aceitar a teologia e a evangelização contida nestas imagens, são chamados de iconoclastas.  No Cristianismo, o iconoclasmo (também chamado de querela das imagens) foi um movimento hostil ao culto dos ícones e das imagens santas, veneradas no Império Romano do Oriente. Manifestou-se no século VIII e IX, através da larga destruição de iconostases e de seus adoradores, chamados de iconófilos.

 

O PRIMEIRO ICONOCLASMO (730–787) No ano de 730 d.C. o imperador Leão III, o Isaurense (imperador de 717 a 741) proibiu o uso de ícones de Cristo, da Virgem Maria e dos Santos, e ordenou sua destruição. A controvérsia iconoclasta nasceu quando numerosos cristãos, vivendo ou não no império Romano, recusaram-se a destruir seus ícones e iconostases.
São João Damasceno foi um dos chefes deste movimento de resistência.
A posição do imperador Leão III foi reforçada pelo sucesso militar, a tomada de Constantinopla em 717-718 d.C., com o fim dos pagamentos dos tributos aos árabes. Seu filho, Constantino V (imperador de 741 a 775) também teve sucessos militares, o que reforçou a posição dos iconófilos.
O segundo Concílio de Nicéia, em 787, autorizou novamente o culto das imagens, interditando, no entanto, severamente seu comércio. A razão doutrinal se apóia no seguinte argumento:

"Se o Cristo se encarnou, é então possível representar fisicamente o filho de Deus, e pintar os Santos".

 

O SEGUNDO ICONOCLASMO (813843)

Leão V, imperador entre 813 e 820, provocou um segundo movimento iconoclasta desde o começo de seu império, movimento mais rigoroso que o primeiro. Sua política teve continuidade nos reinados de Miguel II e de Teófilo. A viúva deste último, na qualidade de regente do seu filho menor (Miguel III), proclamou a restauração do iconismo no ano de 843 d.C.
Os imperadores tentaram impor um símbolo único para a adoração, o Crisma, que lhes era pessoal. O iconoclasmo dos imperadores coincidiu com os momentos de graves crises exteriores, podemos interpretar o iconoclasmo como uma tentativa de reunir os Cristão dos oriente em torno do imperador. Quando a ameaça externa cessa, cessa o iconoclasmo. Após destruir muitos ícones no século VIII, Carlos Magno toma partido contra o iconoclasmo, após o concílio de Frankfurt.

Desde o Egito, na época dos Faraós, sabe-se que o iconoclasmo é também uma questão de guerra entre egos. As estátuas de Hatchepsout foram destruídas pelo seu sucessor Thoutmôsis III.

O ICONOCLASMO RECENTE NO ISLAMISMO

Iconoclasme en Afghanistan au printemps 2001No mundo do Islã, a interdição da representação se opõe à idolatria, em particular ao culto dos ídolos em pedras, encontrados por arqueólogos, que testam uma cultura nômade de povos que viviam do pastoreio e criação. A interdição de toda representação se estende até a pessoa do Profeta.

São conhecidos os episódios mais recentes do iconoclasmo, através da destruição de estátuas que antecederam o surgimento do Islã, conservadas em um museu de Caboul, promovida pelos Talibãs no Afeganistão. Foram amplamente divulgadas na mídia a destruição das estátuas gigantes de Buddha em Bamiyan.

NO IMPÉRIO BIZANTINO
A crise iconoclasta aconteceu entre os reinados de Leão III (717-741) e Teófilo (829-842), imperadores Bizantinos. A destruição, por vezes violenta, de imagens representando a divindade é uma reação ao grande desenvolvimento do culto dos ícones, que causou grande animosidade.
Período frequentemente descrito como pobre em produção artística, o período iconoclasta não arrasou com todas as artes: a arte dos tecidos e da ourivesaria puderam seguir criando, porém a arquitetura se estagnou.
A polêmica em torno da questão que indaga se "temos o direito de representar o mundo espiritual, ou isto é criar ídolos e idolatria... " é histórica, atravessa séculos, e possui argumentos fortes e divergentes, prós e contra.
Os iconoclastas mais integralistas e radicais crêem que ao representarmos o sacro estamos criando objetos de idolatria. Este é o argumento mais forte do iconoclasmo.

ARGUMENTOS EM DEFESA DA ICONOGRAFIA
Em resposta à este argumento, diz um manual de iconografia:

-" Um ícone se venera, não se adora. Só se adora a Deus. Veneram-se a Santa Cruz, os Santos Evangelhos e os Ícones."
Entende-se por veneração: considerar que uma coisa é digna de respeito pelo que representa ou recorda.
A origem de toda arte sacra cristã acontece através da iconografia tradicional, desde os primeiros séculos da cristandade.
Se todos fossem iconoclastas, crendo que pintar o mundo divino fosse criar um objeto de adoração, a maior parte das obras primas da história da arte não teriam chegado até nós.

O iconoclasmo foi responsável pela destruição de inúmeras obras de arte sacra, em diversos períodos da história.
Em nome deste radicalismo ideológico, no fim do século VIII, a crença comum ao mundo judeu e muçulmano, que preconiza a interdição da representação humana e divina, colaborou na perseguição de muitos iconógrafos, que foram martirizados cruelmente. Alguns deles se tornaram Santos da Igreja Ortodoxa.
Em memória destes mártires, que auxiliaram a trazer até nós as imagens sacras, pagando por isto com suas próprias vidas, e por esta razão um verdadeiro iconógrafo contemporâneo trabalha em espírito de oração, com profundo respeito pelas figuras representadas. 
Muitas obras sacras foram destruídas, em diversos países, ocasionando uma perda em vidas, em arte e em espiritualidade. 
As conquistas, dissensões, cismas e revoluções, sempre impondo um novo domínio e cultura, resultaram, por muitas vezes, na destruição de ícones e afrescos. A revolução francesa no séc. XVIII também destruiu boa parte dos afrescos e do patrimônio artístico das igrejas românicas francesas, que possuíam obras de arte na tradição oriental.
Não é difícil encontrar vestígios de afrescos martelados, destruídos durante a revolução, em várias regiões da França.

Pensadores, teólogos e filósofos contemporâneos discorrem sobre a Cristianofobia, uma variante de iconoclasmo, que atinge a cultura judaico-cristã.

A distorção de sentido na veiculação das imagens sacras, a tentativa de destruição, travestida pela palavra "desconstrução" (filosofia da desconstrução) da presença do sagrado em nossa contemporaneidade, por variadas razões de vigilância estética, estratégia política e ideologias, também pode ser interpretada como uma forma de iconoclasmo, ou seja, uma agressão ao sagrado.

Esta destruição do sagrado é presença constante em movimentos revolucionários, que desvalorizam o espiritual, negam a presença de Deus, tratam a religião como se fosse uma fuga irreal, uma conduta de uma burguesia opressora, um ópio do povo, e incorrem sempre no mesmo erro, ao reduzir o homem e impedí-lo de ter acesso à conduta civilizada que é resultado de sua espiritualização, acabam por excluir a civilização ela mesma, implantando condutas de iniquidade, desrespeito à vida e das mais variadas barbáries.

A imagem iconográfica sagrada, para o iconógrafo, deve ser divulgada, reverenciada, adorada e permanecer nos lares dos que possuem fé em Cristo.

Saiba mais sobre iconografia.

site do artista Atelier Prata - Tel 55 11 4035-2057 - Cel 55 11 9597-0275 - artista@sergioprata.com.br